Despedidas

Olá! Seja muito bem vindo ao nosso penúltimo encontro!

Esse é o primeiro post que eu realmente não quero escrever. Relutei muito em começá-lo. Por mais que eu adore escrever e tenha muito a dizer, é muito difícil colocar as palavras no papel, porque estas significam um fato que eu estou tentando insistentemente ignorar: o fim chegou. O fim da experiência mais linda, transformadora e rica da minha vida. Tão rica que tenho certeza que ainda não compreendo a totalidade da dimensão que tudo que eu vi, vivi e senti esse ano representará no meu futuro. Entretanto, antes de mergulhar de vez no futuro, algumas despedidas fazem-se necessárias.

1

O último mês na Harvard University foi intenso. Com a iminência da data da apresentação e da entrega do relatório final, o time do laboratório Brain passou a se reunir com uma frequência cada vez maior. Na apresentação final, marcada para o dia 5 de dezembro, cada um dos 8 alunos do programa USP-Harvard deveria apresentar seu trabalho para a faculdade inteira. Tal evento carrega grande importância para cada um dos laboratórios nos quais os alunos pesquisaram, pois é uma forma de representar, bem ou mal, o nome da equipe inteira. Desse modo, sendo o meu chefe o Dr. Joe Brain, um dos pesquisadores mais prestigiados do mundo na área de toxicologia pulmonar, o mínimo esperado de mim era uma apresentação nada menos do que impecável. Por mais que não seja dito explicitamente, há indubitavelmente uma rivalidade entre os laboratórios, logo, cada chefe tenta preparar o seu aluno do melhor modo possível. Mesmo ciente disso, impressionaram-me o empenho e o tempo que o Dr. Brain e os demais pesquisadores investiram no aperfeiçoamento da minha apresentação. Tive que começar a prepará-la mais de 45 dias antes da data marcada, e nos reunimos mais de 8 vezes para garantir que cada detalhe estivesse perfeito. A cada reunião, eu apresentava novamente, corrigindo os erros apontados anteriormente. Depois, vinha a simulação das perguntas que eu poderia receber da plateia, e, caso minha resposta não fosse satisfatória, pensávamos juntos em uma melhor. Ninguém jamais melhorou praticando menos, não é mesmo?

A entrada do departamento

A entrada do departamento

Quando chegou o grande dia, modéstia a parte, eu estava tão bem preparada que nem senti aquele friozinho na barriga antes de subir ao palco. Cada palavra saiu exatamente como planejado, ou até melhor, e o mérito é todo do maravilhoso time Brain. Assim que concluí, aplaudida, mãos levantaram-se no ar, e aqueles cientistas de Harvard começaram a me fazer perguntas, a maioria das quais já havia sido prevista e praticada. Quando respondi a última, Ramon, o “segundo em comando” no meu laboratório após o Dr. Brain, estava praticamente pulando de satisfação no fundo da sala. O que mais posso dizer? Foi muito muito legal. Sabe aquela sensação maravilhosa de missão cumprida?!

Apresentando!

Apresentando!

Ademais, o relatório final não foi muito trabalhoso – acho que, depois de um ano de blog, já deu para notar que eu gosto de escrever. A única parte monótona, porém necessária, foi finalizar o arquivamento de todos os dados e a organização de cada um dos meus 1500 pedacinhos de pulmão congelados, a fim de garantir que todos no laboratório, incluindo os alunos do programa USP-Harvard do ano que vem, saibam onde cada coisa está.

Pequena parte das caixas onde guardo congelados meus experimentos

Pequena parte das caixas onde guardo congelados meus experimentos

Me despedi de cada uma das pessoas com quem tive o prazer de conviver na Harvard School of Public Health com o coração apertado, mas o que eu ouvi de cada uma delas antes do adeus foi a certeza de que claramente não as decepcionei. Palavras de carinho, gratidão e a garantia de que as portas sempre estarão abertas. Até a única pessoa do lab que não ajudava ou estimulava minha pesquisa em Precision Cut Lung Slices (porque, segundo o que ele dissera em fevereiro, aquela técnica nunca funcionaria) perguntou se poderia usar a minha apresentação para dar uma palestra no MIT (Massachusetts Institute of Technology). Sorri por fora e disse que sim, claro que sim. Mas o sorriso por dentro era ainda maior. Acho que a técnica funciona, não é mesmo?

Seguindo a linha das despedidas, o John não poderia ficar de fora. John Harvard, lembra-se dele? Contei a história de sua estátua em um dos primeiros posts do blog: segundo a lenda, tocar seus pés dá sorte e te concede um pedido. Realizei esse ritual 3 vezes. Na primeira, no verão de 2015, pedi para voltar para a Harvard University algum dia, como aluna e não turista. Na segunda, no gélido janeiro desse ano, eu só agradeci pela realização do meu sonho. Na terceira e última vez, ontem, um dia de dezembro igualmente congelante, eu só me despedi, com o coração transbordando de gratidão. Não um “Adeus”, e sim um “Até logo. Até breve.”

A primeira, a segunda...

A primeira, a segunda…

e a terceira vez aos pés de John Harvard

e a terceira vez aos pés de John Harvard

Sou péssima em despedidas, e se com uma estátua já foi sofrido, o que dizer dos amigos que fiz esse ano? Não pretendo me estender nessa parte, porque prefiro dizer a cada um, pessoalmente e com os olhos cheios d’água, o que significam para mim. Ganhei irmãos, não tenho a menor dúvida disso. Felizmente, os laços que criamos e as aventuras que vivemos juntos foram tão marcantes que sinto que nunca estarei efetivamente me despedindo. De certa forma, sempre os levarei comigo, tanto os amigos brasileiros quanto os que permanecerão nos Estados Unidos.

7

8

9

10

Entretanto, há uma coisa que não poderei levar comigo, e, acredite se quiser, esse é o adeus mais doloroso: como me despedir de Boston? Esse ano foi absolutamente épico, mas foi esse lugar encantado que fez toda a magia acontecer. Sou mera coadjuvante, quando o cenário é protagonista. Ah, Boston… Minhas amigas dizem que eu falo de Boston do mesmo modo que uma adolescente apaixonada fala do novo namorado, e sou obrigada a concordar. Quero te pedir licença, então, para me derreter só mais um pouquinho por essa cidade.

Nascer do sol no Charles River

Nascer do sol no Charles River

Boston está longe de ser um lugar óbvio, e por óbvio eu me refiro a Nova York, Paris, Londres: cidades tipicamente incríveis. Boston não, e é aí que reside parte da magia. Provavelmente, se um dia você tiver o prazer de visitar a capital de Massachusetts por alguns dias, certamente você achará a cidade linda (e fria). Você irá passear pela sofisticação da Boylston Street, tirar milhões de fotos no Public Garden, contagiar-se com a emoção de um jogo dos Red Sox. Você irá se encantar pelo charme da Newbury Street, desejar repetir a porção de clam chowder no Quincy Market, se surpreender com a história da Freedom Trail. Você irá, também, admirar-se com a magnitude da Harvard University, reverenciar a beleza do Charles River e se deleitar com a vista da Prudential Tower.

As 16 paradas da Freedom Trail

As 16 paradas da Freedom Trail

Fenway Park, lar dos Boston Red Sox, melhor time de beisebol dos EUA

Fenway Park, lar dos Boston Red Sox, melhor time de beisebol dos EUA

14

Public Garden à noite, no outono...

Public Garden à noite, no outono…

e à luz do dia

e à luz do dia

Harvard University

Harvard University

Vista da Prudential Tower

Vista da Prudential Tower

Public Library

Public Library

20_1

Você, certamente, aproveitará o passeio. Entretanto, duvido que caia perdidamente de amores. Eu também não fui fisgada logo na primeira semana. Isso porque o esplendor de Boston não está no turismo, e sim na rotina. Na paz de acordar e dormir todos os dias em um lugar onde o céu parece ter vida própria – já falei do céu dessa cidade umas cinco vezes aqui, mas o que posso fazer se me sinto hipnotizada por ele? O encanto de Boston está em conhecer a família de patinhos que mora no lago em frente a minha casa, e ver os filhotinhos, que nasceram tão diminutos no início gélido da primavera, cresceram até alcançar o tamanho dos pais, sempre atravessando o meu caminho durante a caminhada matinal até a faculdade. Isso sem falar dos esquilos, coelhos, passarinhos e todos esses animais que me fazem sentir a Cinderela diariamente. Boston me acolheu, e eu tenho um orgulho imenso de chamar essa cidadezinha no coração da Nova Inglaterra de lar doce lar. Esse será o adeus mais difícil, a despedida desse sentimento de paz total e absoluta que Boston me traz. Uma parte de mim, porém, ficará para sempre aqui: correndo pela Harvard Bridge, com cabelos ao vento e sorriso no rosto, faça chuva, faça sol, faça neve.

21_1

Resta, por fim, um último tchau. Estou falando de você. Sim, você, meu estimado leitor. Escrever esse blog durante esse ano foi uma verdadeira benção. O fato é que, apesar de lindas amizades, o ano de intercâmbio é de certa forma muito solitário. E você, meu amigo, me fez companhia mesmo sem saber. Quantas tardes passei debruçada sobre o laptop, em um café ou em um parque, escrevendo, pensando, relendo, sonhando… Quantas pessoas queridas entraram em contato comigo para dizer que o blog as emocionou e as inspirou a correr atrás de seus sonhos… Pois é, esse blog foi um presente e tanto para mim. Por meio dele, você aprendeu sobre Harvard e Boston, mas eu aprendi inenarravelmente mais sobre mim mesma. Obrigada por me proporcionar isso, meu amigo. Agradeço, também, com todo o meu coração, o Colégio Bandeirantes por me dar essa oportunidade e por fazer parte do meu sonho. Incrível como, mesmo 5 anos depois de formada, eu continuo aprendendo com essa escola…

Hoje, falamos de partidas e despedidas. Semana que vem, no 37o e derradeiro post, falaremos sobre chegadas e reencontros.

Até lá!

Carol Martines

_____________________________________________________________________________

Carolina Martines estudou no Colégio Bandeirantes de 2006 até 2012. Em 2013, foi aprovada em primeiro lugar na Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), mas optou por cursar medicina na Universidade de São Paulo (USP). Depois de concluir os quatro primeiros anos da faculdade no Brasil, foi aprovada em um programa que a Faculdade de Medicina da USP tem com a Harvard University. Este programa seleciona estudantes que terão o privilégio de ser alunos de Harvard por um ano, trabalhando com pesquisa científica.

“Não chore nas despedidas, pois elas constituem formalidades obrigatórias para que se possa viver uma das mais singulares emoções da vida: o reencontro.” (Richard Bach)

Cápsula do tempo

Oi, tudo bem por aí?

Escrever esse blog é, para mim, muitas vezes como redigir uma carta para o meu passado, para a Carol de 2012. Afinal, eu sou praticamente você, cinco ou mais anos atrás. Desse modo, uma das minhas principais inspirações é refletir acerca dos aspectos do meu ano em Harvard sobre os quais aquela menina no terceiro ano do Ensino Médio precisava e/ou queria ouvir. Pensando nisso, por meio desses posts, eu escrevi várias cartas para você e para a Carol de cinco anos atrás.

2017: Harvard Medical School

2017: Harvard Medical School

Analogamente, o mais curioso de toda essa história é que aquela menina que se formava no Band em 2012 também escreveu uma carta para mim, para a Carol de 2017, aluna da USP e de Harvard. Caso você não tenha se dado conta do que eu estou falando, deixe-me esclarecer: por meio de uma iniciativa maravilhosa do Colégio, todos os alunos, nos últimos dias do terceiro colegial, escrevem uma carta para si mesmos dali a cinco anos. Todas as cartas são guardadas carinhosamente pela professora Patrícia Goloni por todo esse tempo, e, no reencontro de cinco anos de formados, os alunos recebem de volta suas cartinhas.

2012: Minha formatura do BBBand!

2012: Minha formatura do BBBand!

Lembro-me vividamente que eu e meus colegas escrevíamos para um futuro distante, que demoraria eras para chegar. O que são cinco anos na vida de um jovem de dezessete? Quase um terço de sua existência! Uma eternidade… Pois é, o futuro chegou. Galopando, tenho que acrescentar. Ao mesmo tempo que sinto que cabe uma vida inteira dentro desse período, também sei que passou em um piscar de olhos.

2012: Os “sobreviventes”, como denominados os alunos que estudaram no Band da quinta série ao terceiro colegial

2012: Os “sobreviventes”, como denominados os alunos que estudaram no Band da quinta série ao terceiro colegial

Como ainda estou morando em Boston, não tive o prazer de frequentar a minha reunião de cinco anos de formada e rever tantos amigos especiais, entretanto, graças ao carinho de pessoas incríveis, recebi a minha carta aqui nos Estados Unidos. (Obrigada, Patrícia e Má!) E assim, depois de 35 posts, 35 cartas para a Carol de 2012, chegou a vez de ela me responder. Só eu estou ansiosa?

2017: Boston Public Garden

2017: Boston Public Garden

Logo que a carta chegou, decidi que a queria ler em um lugar especial: Boston Public Garden, meu lugar favorito da cidade. Contudo, apesar de tanta expectativa, confesso que me desapontei um pouco, por alguns motivos. A Carol de dezembro de 2012 estava cansada, à beira da exaustão física e mental. O terceiro ano do Ensino Médio é muito intenso, e ela havia se dedicado ferozmente. A carta fora escrita pouco antes do Natal, entre a primeira e a segunda fases da tão temida FUVEST. A caligrafia daquela menina era horrível – não que hoje seja maravilhosa, mas certamente bem melhor, – e logo me lembrei do motivo: a Carol de 2012 escreveu tanto durante sua preparação para o vestibular que desenvolveu uma tendinite dolorosíssima no polegar direito poucas semanas antes da segunda fase da FUVEST. Acredite se quiser, mas aquele dezembro foi uma sequência ininterrupta de estudos, fisioterapia e analgésicos. O ortopedista indicou uma órtese para a mão direita e uma caneta adaptada, só assim era possível escrever e realizar a prova de admissão na USP.

Nesse contexto, não é surpreendente que a carta que eu recebi do passado seja repleta de insegurança, estafa e medo. Contudo, aquela garota não estava infeliz, de modo algum: ela sabia que tinha que passar por aquele desafio em prol de um objetivo maior. Depois de descrever os últimos acontecimentos e sentimentos, a carta é repleta de perguntas sobre mim, a Carol de 22 anos na qual aquela menina se transformou. Diante disso, seria uma enorme falta de educação não respondê-la, não é mesmo? Assim, escrevi uma mensagem em resposta àquela Carol, mas decidi compartilhá-la também com você, aluno do Band, pois, como já disse acima, talvez ambos tenham os mesmos questionamentos e precisem ler as mesmas coisas.

 

Boston, 29 de novembro de 2017

Querida Carol do passado,

Preciso começar dizendo: você nos subestimou. Nem nos seus sonhos mais maravilhosos passou pela sua cabeça que você estaria aqui, morando na cidade mais linda do mundo, com uma carteirinha de Harvard e outra da USP no bolso. E, acima de tudo, mais feliz do que palavras podem expressar. Essa é você, Carolzinha.

Quero te contar o que aconteceu nos últimos cinco anos, respondendo algumas de suas perguntas. Dois dias depois de você ter terminado a carta, saiu a primeira aprovação em uma faculdade: direito na FGV. Você conseguiu concluir a FUVEST, mesmo com toda a dor na mão (obviamente com o auxílio de medicamentos analgésicos para a tendinite). Depois daquele período, você nunca mais escreveu tanto, logo, nunca mais sentiu aquela dor, mas guarda até hoje a caneta adaptada que usou para fazer a prova. Semanas depois, foram divulgados os resultados dos vestibulares, e o que eu posso dizer? Valeu a pena cada segundo de estudo, de sacrifício. Cada noite mal dormida, cada vez que você deixou de viajar ou passear em nome do desempenho acadêmico. Além de direito na FGV e na UFRJ, você, Carolzinha, passou em medicina na UFSCar, na UNIFESP (em 1o lugar!) e na USP, a universidade dos seus sonhos. Sem sobra de dúvidas, valeu a pena!

2012: aprovação na FGV

2012: aprovação na FGV

Você não tinha certeza se queria medicina ou direito, mas decidiu testar a primeira. E apaixonou-se. A medicina faz você se sentir realizada e desafiada ao mesmo tempo, e, conforme o curso avançou, você só se encantou ainda mais. Depois de quatro anos na USP, você voou mais alto e estudou um ano em Harvard, onde está agora. Ademais, você de fato não precisou fazer cursinho, seu maior pesadelo na época do Band, mas hoje sabe que não teria sido o fim do mundo.

2016: Liga de Pré-Natal, uma das minhas paixões na USP

2016: Liga de Pré-Natal, uma das minhas paixões na USP

Você continua muito próxima dos amigos do Band, e também fez amizades lindas na USP e em Harvard. Seus melhores amigos, porém, ainda são os mesmos de 2012: seus pais. Graças a Deus, sua família continua unida e saudável, principalmente Vovô, Vovó e Nonna, pelos quais você demonstrou grande preocupação na sua carta. Sua irmã não seguiu o caminho da medicina, apesar da sua insistência, mas está feliz cursando engenharia na Escola Politécnica da USP. Por falar em Poli, seu namorado não é mais um estudante dessa instituição, e sim um engenheiro formado.

2017: Alunos do programa USP-Harvard com o diretor, Dr. Godleski

2017: Alunos do programa USP-Harvard com o diretor, Dr. Godleski

Não, você ainda não escreveu o seu tão sonhado romance, entretanto, você já foi autora de alguns capítulos para livros médicos e tem um blog (no site do Band!), no qual você posta semanalmente. A experiência tem sido tão prazerosa que só aumentou a vontade de escrever um livro… quem sabe até 2022?

Sobre a sua carta: quanta cobrança, não é? Não apenas externa, pois a principal cobrança vinha de dentro. Depois de anos estudando religiosamente, você teve a coragem de me escrever que não tinha estudado o suficiente. Quanta cara de pau! Atualmente, eu me cobro um pouco menos do que em 2012, mas exigir resultados de si mesmo é certamente algo positivo. Afinal, se você não se cobra, a vida cobra. A cobrança só não pode se transformar em uma fonte de sofrimento.

Quanta dúvida, não é? Sei que faltava um propósito. Você queria muito alçar altos voos, estudar em uma universidade de renome, mas não sabia ao certo qual caminho era ideal para você. Posso te dar um único conselho? Na dúvida, sempre faça o melhor que você puder. Você não precisa saber o que vai ser no futuro, pois, independente do que for, esses anos de estudo e garra serão imprescindíveis.

Em suma, sobre os últimos cinco anos: eu não mudaria absolutamente nada, nem os acertos, muito menos os erros. Faça tudo exatamente igual, sempre com alegria e amor no coração. Tenho certeza que você o fará.

O impossível não existe. Momentos incríveis te esperam, Carolzinha. Você nem imagina…

Com carinho,

Carol Martines

_____________________________________________________________________________

Carolina Martines estudou no Colégio Bandeirantes de 2006 até 2012. Em 2013, foi aprovada em primeiro lugar na Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), mas optou por cursar medicina na Universidade de São Paulo (USP). Depois de concluir os quatro primeiros anos da faculdade no Brasil, foi aprovada em um programa que a Faculdade de Medicina da USP tem com a Harvard University. Este programa seleciona estudantes que terão o privilégio de ser alunos de Harvard por um ano, trabalhando com pesquisa científica.

 

Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende.” (Leonardo da Vinci)